Academia Sénior‎ > ‎2009/10‎ > ‎

06

Sessão de 6 de Abril de 2010. Os Jesuítas e a Primeira República, os mártires do Regime, por José Carvalho.




O conferencista, apoiando-se em diversos documentos e autores, estabeleceu o quadro das relações entre a Ordem Jesuíta e a Primeira República. Recorrendo à citação de depoimentos de republicanos e católicos, evidenciou o clima de ódio e perseguição que caracterizou parte significativa desta relação, cuja compreensão deve atender à longa duração. 

Nesse sentido, mencionou as principais características da acção dos jesuítas, referiu fases relevantes da sua história e tratou do catolicismo de finais de Oitocentos. Em consequência, tratou da rede de organizações e publicações inspiradas nos ideiais inacianos, da influência junto das elites, do papel que assumiram na educação e no militantismo católico. Por outro lado, mostrou como a "campanha negra" encetada contra os Jesuítas estava marcada pelo preconceito e pela "diabolização".

Lembrou que o antijesuitismo recolhia apoios quer junto dos republicanos quer de grupos católicos, recordando Abúndio da Silva. Ilustrou com exaustividade as humilhações e as perseguições a que os inacianos foram sujeitos durante a Primeira República. A sessão terminou, como vem sendo habitual, com um animado debate. Alguns dos frequentadores do Ciclo de Estudos levantaram inquietações e dúvidas sobre o tema tratado, sem deixar de notar a qualidade do trabalho apresentado. Expuseram-se ideias e valores opostos, fomentando um diálogo, em que a História não serviu de Tribunal. 

Membro da Companhia de Jesus sujeito a medições "anthropometricas", à semelhança do que se fazia a criminosos. Para a militância republicana, os Jesuítas eram uma ameaça para a sociedade progressiva e razão de degeneração.